Metalurgia é um dos segmentos industriais que mais demitiu em março

Dos 22 setores analisados, 11 contrataram, nove demitiram e dois mantiveram o nível de emprego.

Indústria de SP abre 13 mil vagas em março

O nível de emprego na indústria de transformação paulista aumentou 0,5% em março, ante fevereiro, na série sem ajuste sazonal, segundo pesquisa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). O resultado representa a abertura de 13 mil vagas no setor. Como esse volume é inferior ao normal para o período, feitos os ajustes sazonais, o emprego caiu 0,11% em março ante fevereiro.
 
Dos 22 setores analisados, 11 contrataram, nove demitiram e dois mantiveram o nível de emprego. No acumulado do ano, o indicador registrou alta de 1,29%, com a geração de 33,5 mil vagas desde dezembro. Na comparação com março de 2012, houve queda de 0,93% no nível de emprego da indústria paulista, com fechamento de 24,5 mil vagas.
 
Os segmentos industriais que mais ampliaram o emprego em março, ante fevereiro, foram fabricação e coque de produtos derivados de petróleo e biocombustível (5,7%, mais 2.550 vagas), produtos alimentícios (2,5%, 9.356 vagas) e produtos diversos (1,1%, 723 vagas). Os que mais demitiram foram metalurgia (menos 0,8%, 573 vagas) e produtos de madeira (menos 0,8%, ou corte de 217 vagas).
 
Na avaliação do diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) da Fiesp, Paulo Francini, o resultado de março indica um mês morno e retrata uma indústria de transformação sem indicadores empolgantes. A geração de 13 mil vagas no mês, diz, pode ser encarada como uma "ligeira melhora" e reforça os sinais de que este ano haverá recuperação do nível de emprego, perdido no decorrer de 2012. Nos três primeiros meses de 2013, o indicador avançou 1,29%, com adição de 33,5 mil postos.
 
Por Camilla Veras Mota/ Valor Econômico



Comentários