Teste do Escleroscópio – Escala Shore

Descrição

O Escleroscópio é provavelmente um dos mais antigos dispositivos de medição de dureza. Ele foi criado em 1905 pela Shore Instrument Mfg Co.


Escleroscópio a) Original com tubo graduado b) Com escala

O teste do Escleroscópio consiste em provocar a queda de um martelo com ponta de diamante sobre o corpo de prova. O martelo inicia sua queda a partir de uma altura fixa, sob a ação de seu próprio peso, e viaja dentro de um tubo de vidro. O peso do martelo é de aproximadamente 2,5 gf e cai de uma altura aproximada de 25cm (10”) sobre a superfície do material a testar.

A altura do percurso de retorno do martelo após o choque é medida numa escala graduada. O comprimento da escala é estabelecido a partir da altura média de retorno para o aço carbono endurecido. A esta altura é atribuido o valor 100. A escala então é dividida em 100 partes, que definem as unidades Shore. Uma vez estabelecido o valor de divisão, a escala pode ser estendida além do valor 100 para possibilitar o teste de metais com durezas mais altas.

Para o uso normal, o escleroscópio não marca (ou marca pouco) o material sob teste. O Escleroscópio Shore mede a dureza em termos da elasticidade do material e o valor da dureza depende da altura do retorno. Quanto mais duro o material, maior é o percurso de retorno.

Cuidados no teste

Alguns cuidados devem ser tomados para a medição, como:

  • A peça do material a ser testado deve ser firmemente apoiada em toda a sua base para evitar vibrações que podem alterar a leitura
  • O martelo deve cair e retornar exatamente na direção vertical, portanto a superfície da peça a testar deve estar posicionada exatamente na direção horizontal
  • A superfície do material a medir deve ser lisa. Uma superfície rugosa pode promover a absorção de energia do impacto do martelo, resultando num percurso menor de retorno, que fornece um valor de dureza menor do que o real.
  • O impacto do martelo sobre a peça causa um pequeno endurecimento localizado sobre a área de contato. Então o impacto só deve ser feito uma vez sobre um mesmo ponto para evitar erros de leitura.

Vantagens e Desvantagens

A vantagem deste método é a portabilidade (o medidor tem pequenas dimensões) e a preservação da integridade da superfície do material sob teste. Modernamente o escleroscópio foi substituido por um novo instrumento, de características mais aperfeiçoadas. Ele é denominado Durômetro Shore (ver descrição).

NOTA: Os escleroscópios são pouco fabricados atualmente, entretanto muitos instrumentos ainda estão em uso. Dois modelos básicos eram produzidos. O tipo C usa um tubo de vidro graduado de 0 a 140 para medir a altura de retorno. O operador deveria observar a altura de retorno no tubo graduado. O tipo D possui um mostrador com escala de 0 a 120 que apresenta a altura de retorno. Os escleroscópios podem ser usados para teste de uma grande variedade de peças metálicas, com a única restrição que o tamanho da amostra deve ser grande o suficiente para suportar o retorno. Grandes rolos com alto acabamento superficial são um exemplo de excelente aplicação do escleroscópio. Versões especiais de escleroscópios podem ser usadas para medição em carbono e grafite

Tópicos: