10/05/2018

Gestão do conhecimento e a manutenção centrada na confiabilidade

A instabilidade do mercado faz da Gestão do Conhecimento um diferencial para que a empresa se mantenha sempre competitiva tendo seu foco na Manutenção Centrada na Confiabilidade

É fato perceber que a única certeza neste ambiente competitivo, é ele ser cercado por incertezas, e isso pode ser um fator de suma importância para que as organizações possam perceber o seu diferencial competitivo deixando de ser reativa e passando a ser proativa.

Assim sendo, percebe-se através do Livro Branco, publicado por Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia, MCT, 2002, que países bem sucedidos são os que investem de forma sistemática em ciência e tecnologia e conseguem também transformar os frutos de tais investimentos em inovação, dito isso, pode-se reforçar com Harari em seu livro Homo Deus: Uma Breve História do Amanhã. publicado pela Companhia das Letras, 2016, quando esclarece que para os capitalistas mais devotos, é comum usar seus lucros para contratar novos empregados e aumentar suas fábricas e/ou desenvolver um novo produto.

Todavia, cabe fazer a seguinte observação: Não basta desenvolver novo produto, aumentar fábricas e também contratar novos empregados se a empresa não tiver o foco em como evitar manutenções corretivas, retrabalhos e realçar a disseminação do conhecimento.


Continua depois da publicidade


Desta forma, este trabalho terá como pedra angular a Gestão do Conhecimento que visará a confiabilidade humana assim como a Manutenção Centrada na Confiabilidade, para que se evite perdas nos processos produtivos e alavanque o negócio das organizações.

Uma Manutenção Centrada na Confiabilidade tem uma melhoria direcionada, e converge muito com metodologia TPM que tem como cerne, de acordo com Netto e Tavares no livro Introdução a Engenharia de Produção, publicado pela Visual Books em 2006, o aumento da produtividade, minimizando e até mesmo erradicando futuras falhas e não ocorrência de acidentes mediante a falhas mecânicas.

Para os autores supracitados, muitas empresas deixam a desejar no quesito metas bem definidas, o que é fácil explicar, já que é meta para Manutenção Centrada na Confiabilidade o fator humano que deixará nesta manutenção todo o seu Know How e expertise que serão adquiridos mediante uma boa gestão do conhecimento.

Alguns empreendedores investem em manutenção, mas esquecem-se de que o fator importante é a disseminação do conhecimento com os demais, e este esquecimento implica em novos problemas que até então não existiam.

Faz-se mister perceber que para se trabalhar com uma boa Gestão do Conhecimento, a organização precisará trabalhar com conhecimento sendo este a fonte de inovação, o que é reforçado por Harari no livro Homo Deus: Uma Breve História do Amanhã. publicado pela Companhia das Letras, 2016, quando aduz que a economia humana pode crescer porque humanos são capazes de descobrir novos materiais e fontes de energia, e isso se dá graças ao seu conhecimento e sua capacidade de aprender.

Para Harari, o conhecimento é um recurso em constante crescimento, quanto mais se usa, mais se tem e que converge com a Gestão do Conhecimento que está na disseminação do mesmo, transformando um conhecimento tácito em conhecimento explícito.

Tavares em seu livro Gestão do Conhecimento, Educação e Sociedade do Conhecimento, publicado pela Ícone em 2010, esclarece que a Gestão do Conhecimento busca a excelência organizacional, sendo esta um processo sistemático intencional e articulado de forma a gerar, codificar, disseminar e apropriar do conhecimento.

Uma vez que o conhecimento é o melhor recurso que uma empresa pode ter e, como geri-lo, será o grande diferencial para que esta instituição  se mantenha competitiva, uma vez que é afirmado por Tavares no livro acima que a formação do conhecimento é o maior investimento nos países desenvolvidos, fazendo com que os Estados Unidos gastem mais de 50 bilhões de dólares em treinamentos.

Através da Gestão do Conhecimento e da Manutenção Centrada na Confiabilidade, os gastos com retrabalhos e manutenções corretivas tenderão a minimizar, aumentando assim a oportunidade para o aumento da produtividade focada na excelência, fazendo com que a organização tenha um nome confiável no mercado e se faça uma referência ímpar, na qual o seu nome será respeitado tanto por seus clientes quanto seus concorrentes.

[1]  Wolmer Ricardo Tavares, Mestre em Educação e Sociedade, Escritor, Palestrante, Articulista, Colunista, Docente, Consultor de Projetos Educacionais e Gestão do Conhecimento na Educação – www.wolmer.pro.br

[1] Técnico em mecânica com 12 anos de experiência em treinamentos e com 24 anos de atuações em empresas - www. http://mundomecanico.com.br/ 

As informações e opiniões veiculadas nesse artigo são de responsabilidade exclusiva do autor e não representam a opinião do Grupo CIMM.

Wolmer Ricardo Tavares e Antenor Vicente

Perfil do autor

Mestre em Educação e Sociedade com projeto intitulado Gestão do Conhecimento e a Educação na Sociedade do Conhecimento, especialista em Educação Básica: Educação Ambiental e Patrimonial, especialista em Análise de Negócios e Informação, especialista também em Análise de Sistemas e graduado em Pedagogia e Matemática. Escritor, Articulista, Colunista, Palestrante, Consultor de Projetos Educacionais, Consultor de Gestão do Conhecimento na Educação, Docente Universitário e de Pós-Graduação. Atua em temas como: Tecnologia da Informação, Gestão do Conhecimento, Gestão da Informação, Educação e Projetos Educacionais.


Comentários ()