10/06/2014

Norgren nacionaliza tecnologia para estamparia automotiva para atender Inovar Auto

Para as montadoras de automóveis no Brasil, como para qualquer indústria, a produtividade é uma questão crucial para o sucesso do negócio. Na maioria das vezes, produtividade é sinônimo de eficiência na gestão de tempo, eficiência energética e competitividade. Para enfrentar estes fatores, tecnologia é a resposta mais adequada e estratégica.
 
No Brasil, a indústria automobilística é uma das mais importantes e, por isso, o governo tem estudado maneiras para incentivar a produção nacional. Foi essa a razão de lançamento do Inovar Auto, em 2012. O programa concede benefícios fiscais relativos ao Imposto sobre Produtos Industrializados – IPI e, em contrapartida, demanda uma ampliação no volume de peças nacionais nos produtos e investimentos em engenharia. Assim, busca tornar a indústria automotiva brasileira mais competitiva em relação às outras indústrias do mundo e fortalecer o setor.
 
Para alcançar o cenário em que os níveis de produção aumentem e criem impacto na economia, é preciso desenvolver soluções tecnológicas que transformem os padrões da indústria para um melhor resultado. Nesse sentido, a experiência que temos com a Norgren no Brasil nos últimos anos, apontam para esta direção: estudar as peculiaridades da produção e investir em desenvolvimento e inovação, para alcançar novos níveis de produtividade. 

Uma das áreas que o Inovar Auto demanda uma maior produtividade é a de estamparia. Hoje o principal problema desta área é a confiabilidade do processo. Por exemplo, a montagem da carcaça de um automóvel envolve em média 25 peças grandes, que devem ser estampadas em estágios consecutivos. Com a tecnologia existente no Brasil, o manuseio destas peças não é totalmente confiável e, portanto, há paradas de linha – seja devido à vibração dos braços que manipulam as peças, ou falha das ventosas na “pega” das chapas em sistemas a vácuo.

Frente a este problema, a Norgren desenvolveu um novo sistema de manipuladores pneumáticos com maior confiabilidade no transporte das peças estampadas. O projeto consistiu em simular o processo por meio de softwares de engenharia, reproduzindo o layout físico e simulação dinâmica antes da aplicação. Utilizando a tecnologia ‘Poz-e-Link’, garante-se flexibilidade e posicionamento preciso das peças, passando-as para o próximo estágio.
 
Com maior confiabilidade, há garantia de repetição do processo, diminuindo as paradas. Uma das inovações trazidas para este projeto foi o sistema de troca rápida, com encaixe único para cada estágio, o que permite a troca inteira do ferramental de manipulação em 30% do tempo. O projeto já é aplicado em uma montadora instalada no país.
 
Em termos de produtividade, houve mudanças relevantes no número de veículos montados por hora. Em um teste de três meses, comparando o sistema antigo e o novo sistema pneumático, houve um ganho de 7 horas em todo o processo. Com o novo sistema, o ganho de produtividade operacional foi de 5%.
 
É desse tipo de procedimento que a indústria nacional mais pode se beneficiar: investir em pesquisa e desenvolvimento, buscando melhores soluções para a produção. Nos casos em que a indústria nacional precisa corresponder aos requisitos de uma legislação, como o Inovar Auto, a engenharia para otimizar processos, apesar de ser uma demanda externa, é também um mudança estratégica para a produtividade.
 
 
*Renato Noal é Gerente de Engenharia da Norgren para o Brasil

As informações e opiniões veiculadas nesse artigo são de responsabilidade exclusiva do autor e não representam a opinião do Grupo CIMM.

Renato Noal*


Comentários