Embraer inicia a construção de novo centro de serviços

O projeto prevê um investimento de US$ 25 milhões em cinco anos

Em um ano, a frota de jatos executivos no Brasil deve ser a segunda maior no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, que lidera o ranking mundial com 11.120 jatos. O país já possui o segundo maior mercado de aviação geral, que inclui aviões de pequeno porte e helicópteros. Hoje, o país tem 720 jatos desse tipo, contra 760 voando no México.

Para atender um dos principais mercados em expansão no mundo e dentro do seu próprio país, a Embraer está investindo na ampliação e melhoria da oferta de serviços. Um passo importante será dado nos próximos dias com o início da construção do segundo centro de serviços próprio da Embraer no Brasil, projeto que vai absorver um investimento de US$ 25 milhões em cinco anos.
 
O novo centro de serviços ocupará uma área de 20 mil m2, no aeroporto de Sorocaba, com um hangar cinco vezes maior do que o centro de serviços localizado hoje em São José dos Campos. "O atual tem capacidade para atender 10 aeronaves simultaneamente e o de Sorocaba poderá receber entre 40 e 50 jatos de pequeno e grande porte", ressaltou o vice-presidente de Operações da Embraer Aviação Executiva, Marco Túlio Pellegrini.
 
A inauguração está prevista para meados de 2013, o que coloca o novo centro disponível para atender a grande movimentação de jatos executivos que o Brasil irá receber durante a Copa do Mundo e também em outros eventos, como Fórmula 1 e Fórmula Indy.
 
"A Embraer passa a ter, com a nova unidade, rede de serviços em localizações estratégicas do país, já que temos centros autorizados em Belo Horizonte, Brasília, Curitiba e Goiânia", explicou.
 
A expectativa da fabricante é de que haja uma demanda de 420 a 600 aeronaves nos próximos 10 anos, negócio estimado em mais de US$ 8 bilhões. "Esperamos capturar uma parcela significativa dessas vendas, algo em torno de 30% do volume previsto para o período", disse Pellegrini.
 
Em 10 anos, a Embraer conseguiu colocar 550 jatos executivos de sete modelos diferentes em operação no mundo. Desse total, o Brasil absorveu 112 aeronaves, sendo 90 do modelo Phenom.
 
Com o centro de Sorocaba, a Embraer também estará inaugurando um novo negócio no mercado, o de FBO (sigla em inglês para operador de base fixa), um leque de serviços de atendimento vip para os clientes que pousam no aeroporto e necessitam de reabastecimento, limpeza da aeronave, atendimento à tripulação, áreas de descanso, entre outros.
 
Outro diferencial importante que a Embraer estará oferecendo para seus operadores de Phenom no Brasil, a partir da próxima semana, é a disponibilidade de um simulador para treinamento dedicado em português. Fruto de uma parceria entre a Embraer e a empresa canadense CAE, o equipamento será o primeiro simulador de voo de avião executivo no Brasil. "O treinamento poderá ser feito no Brasil, evitando o deslocamento de pilotos para os EUA e Europa e também as barreiras do idioma estrangeiro", destacou o executivo.
 
Segundo Pellegrini, até 2011 a área de suporte ao cliente era o calcanhar de Aquiles da aviação executiva da Embraer, mas pesquisa recente da publicação "Aviation International News", referência na área de aviação executiva no mundo, colocou a Embraer em segundo lugar entre todos os fabricantes de jatos no quesito suporte ao cliente.
 
"Melhoramos 13% em relação a 2011. A americana Gulfstream está em primeiro lugar, com nota 8,2, mas apenas com o jato G550. A Embraer conquistou essa posição para todos os seus sete modelos de jatos e recebeu nota 8,1", disse. Na área de jatos menores, a Gulfstream ficou em sétimo lugar na pesquisa.
 
A área de serviços ao cliente na Embraer, segundo Pellegrini, representa ao redor de 10% da receita da aviação executiva da companhia. "Existe espaço para crescer e ficar entre 20% e 25%, que é a média hoje dos grandes fabricantes de jatos executivos", disse.
 
"A venda no segmento não é só o produto, mas muito mais como você se relaciona com o cliente", ressaltou. Com a grande concorrência no mercado, segundo ele, a única forma de capturar o cliente é através de soluções inovadoras.
 
No Brasil, diz o executivo, além dos novos investimentos feitos no simulador do Phenom e no centro de serviços de Sorocaba, a Embraer tem se destacado por oferecer ao mercado um produto com um custo operacional entre 10% e 15% menor que o praticado pela concorrência. "Além de um plano de manutenção e um programa de peças ágil e eficiente, temos a vantagem de produzir no Brasil", completou.
 
A divisão de jatos executivos representa cerca de 20% da receita global da Embraer. Tendo em vista o cenário atual, em 2012, a companhia espera entregar de 75 e 85 jatos executivos leves e de 15 a 20 jatos executivos grandes, o que deve gerar um faturamento entre US$ 1,1 bilhão e US$ 1.3 bilhão.
 
Por Virgínia Silveira/Valor Econômico
Tópicos:
executivos  •   jatos  •   brasil  •   centro de servico  •   embraer  •  


Comentários ()