Indústria chega à era da customização de produtos em série

Depois de alguns anos amargando negativos resultados, a economia brasileira começou a reagir. Os números recentes do PIB e o aumento do consumo interno por parte das famílias são sinais de retomada do crescimento. A contar pelas análises dos especialistas econômicos, é provável que esse cenário se sustente ao longo do ano.

No entanto, mesmo com resultados positivos no presente, o cenário futuro poderia ser mais promissor. Segundo um estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI), chamado de "Oportunidades para Indústria 4.0: aspectos da demanda e oferta no Brasil", 24 setores da indústria brasileira pelo menos 14 precisam adotar estratégias de digitalização de processos para conseguirem se manter no mercado.

O documento da CNI ainda expõe um raio-x sobre o cenário das nossas indústrias e faz o cruzamento de dados como produtividade, exportações e taxa de inovação em um comparativo com os resultados das 30 maiores economias do mundo. A análise constatou o que há muito tempo já se sabe: o Brasil vem perdendo, ano a ano, sua competitividade na indústria.

De acordo com o estudo, entre os setores mais afetados pela falta de inovação, estão farmoquímicos e farmacêuticos; químicos; minerais não-metálicos; calçados; máquinas e equipamentos, entre outros.

A digitalização das indústrias é um caminho para que o Brasil volte a ter um grau de competitividade frente a outras nações. Porém, no que se refere à inovação, sabemos que essa mudança de cenário requer planejamento e, sobretudo, investimentos em um processo que não pode ser feito do dia para a noite. Mesmo que ainda não represente a maioria das indústrias, é sabido que algumas companhias brasileiras já estão se movimentando para entrar na 4º Revolução Industrial.

A partir do uso de tecnologias habilitadoras como, IoT (Internet industrial das coisas), Cloud Computing, Big Data, Realidade Aumentada, Inteligência Artificial, entre outros, algumas empresas já têm disponíveis os recursos necessários para alcançar um patamar de produção customizada em série.

Na era da customização da indústria, os mais recentes avanços tecnológicos e industriais começaram a abrir espaço para permitir que o cliente seja inserido na cadeia de produção de qualquer item que se deseje personalizar seja um tênis, um computador ou até mesmo um veículo. Com essa possibilidade, um novo perfil de consumidor e forma de consumo irá se consolidar e as indústrias que estiverem preparadas para essa nova abordagem irá se manter no cenário competitivo.

Todas as empresas e máquinas envolvidas na fabricação do produto passam a se 'conversar' o tempo todo, desde a realização do pedido, passando por sua customização até chegar na finalização do item. Trata-se de uma mudança de paradigmas que traz um aumento da competitividade e, por outro lado, o significado do conceito de experiência do usuário em relação a um bem adquirido. A indústria deverá ser flexível para atender demandas diferentes e, ao mesmo tempo, ser eficiente operacionalmente para manter sua produtividade.

O tema tem tanta importância para o futuro do país que, inclusive, foi destaque nas últimas semanas do Fórum Econômico Mundial, realizado em São Paulo. No evento, o Governo Federal anunciou um pacote de incentivo à modernização do parque fabril brasileiro, estimulando a Indústria 4.0. Esse programa destinará cerca de R$ 8,6 bi a empresas, por linhas de crédito.

É uma ótima notícia, já que o cenário mostra-se bastante desafiador. A Indústria 4.0 já é uma realidade e o Brasil não pode ficar de fora dela.

*César Gaitan é diretor geral do Cluster América do Sul da Festo.

Tópicos:
investimentos,    Fórum Econômico Mundial,    internet das coisas,    digitalização,    engenharia,    automação,    produção,    CNI,    Festo Brasil,    indústria 4.0,   



Comentários ()