Mercedes e MAN vão investir R$ 2,5 bi em caminhões

Apesar da previsão de queda em 2012 marcas pretendem ampliar fábricas

A Mercedes-Benz iniciou neste mês a produção de duas novas linhas de caminhões -um leve e um extrapesado- com a meta de alcançar a liderança no setor em 2013. A disputa, porém, promete ser dura no que depender da atual líder, a MAN-Volkswagen. Em jogo, estão investimentos somados de R$ 2,5 bilhões das duas marcas.

Segundo a Fenabrave (federação dos distribuidores de veículos), a Mercedes vendeu 42.391 unidades em 2011. Já a concorrente comercializou 8.431 caminhões a mais. Em ambos os casos, os trunfos estão no segmento extrapesado -o de maior demanda e concorrência. A Mercedes, que importava o Actrus da Alemanha desde 2010, passou a fabricá-lo no país. Já a MAN vai produzir seus modelos mantidos em segredo, inicialmente, na fábrica de Resende (RJ). Depois que decidir por uma nova fábrica ou ampliação da atual, a fabricação deve migrar.

Segundo o vice-presidente de vendas da Mercedes, Joachim Maier, a marca perdeu participação de mercado nos últimos anos por ficar no limite da produção na fábrica de São Bernardo do Campo. "Como não há espaço físico para ampliar a fábrica em São Bernardo, optamos por implantar a fábrica em Juiz de Fora. Para isso, investimos R$ 450 milhões do R$ 1,5 bilhão anunciado", disse.

Na unidade mineira, a produção inicial será de 15 mil unidades por ano, entre caminhões Accelo e Actrus. Como há espaço para expansão, se houver necessidade, a empresa poderá ser ampliada. Outra parte do R$ 1,5 bilhão será investida na modernização da fábrica de São Bernardo. Segundo o vice-presidente, o objetivo é elevar a produção para até 80 mil veículos por ano.

O presidente da MAN para a América Latina, Roberto Cortes, afirmou que a liderança da marca será mantida, entre outras razões, "por dispor de eficiência e produtos corretos para o Brasil". No plano de investimentos de R$ 1 bilhão até 2016 no país, a MAN espera elevar a produção para mais de 100 mil caminhões por ano. Atualmente, a fábrica de Resende produz 82 mil unidades/ano.

Novo Diesel
Apesar da disputa, as marcas enfrentarão o mesmo problema: as vendas em 2012 devem cair 10%. A causa é o aumento nos preços -em média 10%- dos veículos por conta da adoção de nova tecnologia dos motores com o diesel menos poluente.

Desde o começo do ano, os fabricantes estão impedidos de produzir veículos com a tecnologia anterior, segundo a norma do Proconve P7 (Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores) do governo.

Já para 2013, os representantes das empresas esperam uma retomada das vendas para o mesmo patamar registrado no ano passado. Segundo a Fenabrave, foram comercializadas 172.661 unidades.

Ford e Volvo também investem no segmento de extrapesados
A Ford mantém um plano de investimentos de R$ 455 milhões até 2015 para investimentos em extrapesados na fábrica de São Bernardo do Campo. Ainda não há data para o novo lançamento.Segundo a Fenabrave, a montadora vendeu 30.351 unidades em 2011 e alcançou 17,58% de participação do mercado. Atualmente, a Ford atua nos segmentos entre os semileves e os pesados.

De acordo com o gerente de caminhões da Volvo, Bernardo Fedaldo Júnior, a meta da empresa é manter a liderança de vendas no segmento extrapesado. "Temos 31% do mercado e vamos manter", disse. De 2009 até o ano passado, a empresa investiu US$ 275 milhões. No próximo mês, a Volvo anuncia os investimentos para até 2014, que serão prioritários em infraestrutura e produtos, segundo Fedaldo Júnior. Em 2011, a Volvo vendeu 19.068 caminhões e ficou com 11,04% de participação no mercado brasileiro. A marca atua desde o semipesado até o extrapesado, sem vender leves ou médios.

Tópicos:
economia  •  


Comentários ()