Okuma comemora 20 anos de Brasil e lidera na incorporação de tecnologias da indústria 4.0 no segmento de máquinas-ferramenta

Empresa japonesa é uma das maiores fornecedoras de máquinas-ferramenta premium do setor na América do Sul.

Oferecer todo o suporte necessário às fabricantes japonesas no Brasil. Foi com esse objetivo que, em abril de 1997, a Okuma iniciou suas atividades no País e, por extensão, em toda a América do Sul. A empresa especializada na fabricação das chamadas máquinas mães (utilizadas para a construção de novas máquinas) para usinagem de alta precisão completa 20 anos de atuação como uma das líderes de mercado e pioneira no processo de automação do segmento.

“A Okuma construiu uma história de duas décadas de sucesso no mercado brasileiro e tornou-se uma das grandes referências na produção, manutenção e suporte para o segmento de maquinas-ferramentas. Comemoramos os nossos 20 anos já nos preparando para futuro. Acreditamos que os novos desafios apontam para a incorporação de tecnologias da indústria 4.0, Internet Industrial de Coisas (IIoT), Smart Manufacturing e outras. Com esse movimento estamos nos preparando para a indústria do futuro com infinitas possibilidades”, afirma Mohseen Hatia, diretor geral da Okuma Latino Americana”.

De acordo com Hatia, o direcionamento para oferecer não somente máquinas, mas equipamentos inteligentes e mais eficientes é fundamental para consolidar ainda mais a presença e a referência da Okuma. “Há alguns anos, lideramos as iniciativas regionais em automação e desenvolvimento de soluções completas aos clientes, proporcionando alto nível de customização e eficiência na utilização dos equipamentos. Assim, mais do que máquinas, vendemos a solução completa, com programação e opcionais incluídos. É só virar a chave e esperar os bons resultados”, garante.


Continua depois da publicidade


Atualmente, a Okuma Latino Americana possui mais de 2000 máquinas instaladas em território nacional e mantém um departamento de peças sobressalentes, que hoje cobre cerca de 90% dos casos de manutenção preventiva e corretiva. As principais áreas de atuação da empresa são: Automotivo; Óleo & Gás; Agrícola; Médico; Aeroespacial e Moldes & Matrizes.

“Os números do primeiro trimestre indicam que o mercado automotivo voltou a crescer na casa dos dois dígitos, o que necessariamente vai gerar maior demanda por máquinas-ferramenta, suporte técnico e peças de reposição”, observa Hatia. Já o setor agrícola, que manteve bons números mesmo durante a crise, está aumentando a demanda por máquinas de precisão, que exigem alto grau de customização e automação.

Apesar das várias crises enfrentadas nas últimas duas décadas, o número de clientes e base instalada da Okuma no País sempre cresceram de forma consistente e com total apoio da matriz no Japão. A empresa acredita no potencial de recuperação, mantendo um otimismo cauteloso para o próximo triênio. “Ainda há muitos fatores políticos e econômicos a serem definidos, mas estamos confiantes de que o País vai voltar a crescer. O mercado das Américas é o segundo maior para a Okuma no mundo, atrás apenas da Ásia. E a nossa matriz acredita muito no potencial do Brasil para a manutenção do desenvolvimento dos negócios”, conclui.

20 anos de história

Até 1997, os equipamentos da Okuma chegavam ao Brasil apenas para a indústria automobilística, por meio de uma única distribuidora. No entanto, ainda não havia a estrutura de suporte ou a assistência que os clientes necessitavam. Neste contexto, a empresa decidiu iniciar as operações na América do Sul e inaugurou o escritório brasileiro no dia 1º de abril.

No ano seguinte, a Okuma passou a contar com mais um distribuidor e diversificou o canal de vendas, conquistando novos clientes. “Esse movimento foi importante para expandirmos nossa atuação para os segmentos de Óleo & Gás, Agrícola, Médico, Aeroespacial e Moldes & Matrizes”, relembra Hatia.

A primeira grande transformação da empresa aconteceu no fim do ano 2000, quando desenvolveu um modelo de negócios específico para o Brasil: canal direto de vendas, sem a participação de intermediários, realizando todas as atividades de pré e pós-venda. “Essa é uma questão cultural. Os clientes brasileiros preferem manter um relacionamento direto, pois entendem que assim terão uma atenção do fabricante. A Okuma entendeu o mercado brasileiro e criou aqui o único modelo de vendas diretas da corporação em termos mundiais”, conta o executivo.

A primeira equipe de vendas da Okuma contava com quatro pessoas. A iniciativa deu certo e a empresa manteve um crescimento sustentável desde então.  Como resultado, o número de máquinas instaladas no País cresceu significativamente, com uma grande variedade de modelos, incluindo os grandes Centros de Usinagem Dupla Coluna, Tornos Multitarefas, Centros de Usinagem 5 eixos, etc. A equipe total também aumentou pelo menos seis vezes, chegando a cerca de 50 profissionais.

Atualmente, os colaboradores de vendas estão distribuídos em São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Amazonas e Pernambuco. A atuação no restante do continente é feita por meio de distribuidores na Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela.

A Okuma acompanhou o desenvolvimento da economia brasileira nas últimas décadas, ampliando o fornecimento de máquinas junto com o crescimento da indústria. Um dos projetos de maior destaque aconteceu em 2005, quando a companhia firmou parceria com o Senai para o desenvolvimento de peças para o Programa Espacial Brasileiro, hoje utilizadas tanto pela NASA quanto pela Estação Espacial Internacional. “Foi uma experiência muito positiva e que serviu para comprovar a capacidade e qualidade dos produtos desenvolvidos pela Okuma”, completa Hatia.

Sempre buscando a excelência nos serviços prestados, em 2012 a Okuma inaugurou um novo Centro de Tecnologia em São Paulo, com um Show Room adequado para exposição de novas máquinas e promoção de eventos. O espaço é utilizado para treinamentos de clientes e testes avançados de usinagem.

Tópicos:



Comentários ()